terça-feira, 31 de março de 2009

Ritmo de Angola influencia linguagem em Portugal


O kuduro, ritmo angolano exportado para a Europa, está ganhando fãs ao redor do mundo e, ao mesmo tempo, inadvertidamente influenciando a linguagem usada pelos jovens em Portugal.


Um exemplo é o trio de DJs do Buraka Som Sistema, que produz o kuduro progressivo com influência do house e do techno em Portugal. Eles usam em suas letras diversas palavras vindas da África, além de gírias recém-criadas. "Há pelo menos um certo público do Buraka que nunca na vida se tinha cruzado com expressões tão africanas como as que usamos e que depois de nos conhecer, já sabe o que isso ou aquilo quer dizer", explica o DJ Riot.


Mas esta não é a primeira vez que palavras de origem africana chegam a Portugal. O convívio entre imigrantes vindos das ex-colônias e portugueses já havia inserido na linguagem corrente expressões como "bué", que quer dizer "muito" e já foi até incluída nos dicionários. Outros termos africanos muito usados no país são "cota", que quer dizer uma pessoa mais velha e "birra" que é uma cerveja. As gírias "cuiar" e "bater" também já estão muito populares em Portugal e poderiam ser traduzidas como "bombar".


Um fenômeno semelhante aconteceu com o português do Brasil no fim dos anos setenta, quando as primeiras novelas de televisão chegaram a Portugal. Palavras que eram usadas apenas no Brasil passaram a integrar o vocabulário dos portugueses. Um exemplo é o termo "fazenda", que em Portugal queria dizer apenas "tecido" e não uma propriedade rural, que para eles é uma "quinta".





Enviado por: Wilson Silva


2 comentários:

rodri disse...

muchas gracias por tus palabras, dominas muy bien el español. Yo entiendo el portugués aunque no lo hablo. te sigo.
BEIJOS

Tatiana disse...

Um belo final de semana para você e para todas as pessoas que estão em seu coração!

Um beijo carinhoso